quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Celular na sala de aula? Pode!

       O celular é o aparelho mais usado pelos jovens, adolescentes e por boa parte das crianças. É o companheiro para todas as horas: despertador,  agenda, acesso rápido à internet, álbum de fotografias, armazenador de músicas e vídeos.  Nele eles encontram, informação, diversão e aprendem, mas como ferramenta pedagógica ainda é pouco explorado.
     Em geral, as escolas proíbem o uso do celular, ratificando a lei já existente e servindo-se dela para fazer valer a norma de não utilizar celular no ambiente escolar.
    Os aparelhos, porém apresentam cada vez mais novidades que podem e devem auxiliar a aprendizagem e alguns professores já começaram a solicitar o aparelho para desenvolver atividades em sala de aula, enfrentando para isso a resistência de setores mais tradicionais dos meios educativos.
    O que se vê dessas práticas são resultados positivos, pois além de educar o aluno para o uso correto do celular, motiva-se o mesmo na busca de conhecimento e novas formas de usar o tão precioso e querido objeto. O celular passa a ter uma utilidade a mais como ferramenta pedagógica não só para pesquisa e acesso à internet, mas como meio de autoria, criação, exercício da criatividade e do conhecimento, construção da autonomia; usando o celular o aluno pode criar textos, vídeos, fazer imagens, enfim, produzir.
    Outro fator que facilita o uso dessa tecnologia em sala de aula é o acesso, pois é uma tecnologia presente na maioria dos lares, mesmo dos mais desfavorecidos economicamente.
    Cabe a cada diretor, coordenador pedagógico e professor orientar seus alunos, fazer combinações que favoreçam o melhor uso possível do celular como forma de comunicação.
    Proibir é estar na contramão da evolução tecnológica.  É necessário o meio-termo, a percepção dos benefícios que podem ser alcançados tanto pelos alunos, na aprendizagem, quanto pelos professores na dinamização de suas aulas.