domingo, 30 de março de 2008

Família


A mãe lê Alice no País das maravilhas

A filha ri das trapalhadas do coelho

O filho ao pé da cama

Desenha

Seu mundo maravilhoso.

Primeiro Dia de Aula - 1972


Caminho rapidamente pela manhã
O coração povoado de expectativas
Finalmente enxergo a minha frente
O prédio imponente misterioso desafiador
No pátio burburinho total
Jovens e crianças
Cabelos compridos, uniforme azul e vermelho
Congas, congas, congas
Quieta espero
As portas se abrem e surgem
As professoras do Estadual.
Forma-se um grupo compacto
O silêncio é quase total
Boas-vindas falas da direção
A chamada
5ªA 5ªB 5ªC 5ªD 5ªF
Eu entro na fila sigo a professora
O corredor as escadas uma leve tontura
Chegamos à sala
Caras novas olhos curiosos assustados
Curiosidade acalmada
Final da manhã
O som da sineta anúncia o término da aula
Volto para casa feliz
Gostei da Escola.

Onipresente




No princípio era a escuridão, o nada!
Mas Ela já espiava o universo.
Depois vieram Evas, Adãos, maçãs, serpentes
E ela presente, inerente.
O mundo povado, Torre de Babel,
Babilônia, Jardins, Odisséias, liras, incêndios
E ela!
O humano, às vezes, a esquece,
Guerra das Rosas, Rosas de Hiroshima,
Nagásaki rasgada,
Lágrimas, suor, sangue, dor, fome,
Ela se fortalece!
Fortaleza do homem.
Permanece, conquista, emociona,
Revela o humano: saudades, amores, ternuras, alegrias...
Desvela, desnuda.
Diante dela a sensibilidade, o olhar crítico.
O homem na lua: Ela
O menino de olhos curiosos:Ela
A menina no balanço: Ela
Os velhos nos bancos das praças: Ela
Os acordes de blues: Ela
Os campos floridos: Ela
O cheiro das manhãs: Ela
A criança, o choro, o abandono, o grito: Ela
A todo momento, em todos os lugares,
Ela, a síntese do belo, do humano, do universo
Ela, a poesia,
Constante, instigante, onipresente.